Com os Jogos, o Rio tem sua infraestrutura urbana transformada - Dilma Rousseff

Com os Jogos, o Rio tem sua infraestrutura urbana transformada

15 de junho de 2016
notinfrario

Rio de Janeiro em transformação

A Cidade Maravilhosa, que tanto encanta o mundo, tem sido palco de grandes eventos internacionais. Em 2007, foram os Jogos Pan-Americanos; em 2013, houve a Jornada Mundial da Juventude; em 2014, parte dos jogos da Copa do Mundo Fifa.

Neste anos, o Rio de Janeiro vem passando por profundas transformações em termos de infraestrutura, que foram aceleradas ao conquistar o direito de sediar as Olimpíadas e as Paralimpíadas de 2016. O governo federal construiu, em parceria com o governo do Estado do Rio de Janeiro e com a Prefeitura do Rio de Janeiro, uma carteira de grandes investimentos que, necessários para melhorar a vida dos cariocas, foram acelerados para também permitir receber melhor todos os que vierem participar dos Jogos.

Os investimentos em mobilidade já estão mudando, para muito melhor, as condições de transporte coletivo na cidade do Rio de Janeiro. Os investimentos na região portuária estão reincorporando a área ao circuito cultural e turístico da Cidade Maravilhosa.

Porto Maravilha

A região portuária, porta de entrada de quem desembarca no Rio de Janeiro pelo mar, está sendo totalmente revitalizada pela Operação Urbana Porto Maravilha, que será um dos mais importantes legados olímpicos da cidade. O projeto Porto Maravilha já reurbanizou diversas ruas na região, tanto na parte baixa dos bairros da Gamboa e da Saúde quanto no histórico Morro da Conceição.

No total, 5 milhões de metros quadrados serão revitalizados no projeto Porto Maravilha, que contou com a derrubada completa do Elevado da Perimetral, com sua substituição por uma malha de vias expressas, mergulhões e túneis que vão reintegrar a região com o restante da cidade.

Foram inaugurados dois novos museus – o Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR) e o Museu do Amanhã – e parte da Avenida Rodrigues Alves está sendo transformada em um boulevard cortado pelo Veículo Leve Sobre Trilhos.

Veículo Leve sobre Trilho – VLT

O VLT Carioca é um meio de transporte moderno e sustentável, que integra todos os meios de transporte do Centro e da Região Portuária – barcas, metrô, trem, ônibus, rodoviária, aeroporto, teleférico, terminal de cruzeiros marítimos e, futuramente, o BRT Transbrasil.

Em junho de 2016, foi inaugurada a primeira etapa, ligando a Rodoviária Novo Rio ao Aeroporto Santos Dumont, com 17 paradas e uma estação. A ligação entre a Central do Brasil e a Praça XV entra em operação no segundo semestre. A partir de 2017, entrará em operação o trecho que funcionará na Avenida Marechal Floriano.

O VLT reduzirá e otimizará o fluxo de carros e ônibus na região central. Outro grande benefício será a reurbanização de áreas antes degradadas no Centro do Rio. Um antigo túnel no Morro da Providência será revitalizado para ser usado exclusivamente pelo novo bonde.

A implantação tem custo de R$ 1,157 bilhão, sendo R$ 532 milhões com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade, e R$ 625 milhões viabilizados por meio de uma parceria público-privada (PPP) da Prefeitura do Rio.

TransOeste

Em operação desde junho de 2012, o BRT TransOeste liga a Barra da Tijuca a Santa Cruz de Campo Grande, beneficiando 150 mil passageiros por dia.

Com 52 km de extensão, corta nove bairros – Barra da Tijuca (a partir do Jardim Botânico), Santa Cruz, Campo Grande, Paciência, Sepetiba, Inhoaíba, Cosmos, Guaratiba e Recreio dos Bandeirantes -, encurtando distâncias e reduzindo o tempo de deslocamento em até 40%.

O trecho denominado Lote Zero conectará o corredor do BRT até o Jardim Oceânico, na Barra, fazendo integração com a futura estação da Linha 4 do metrô.

O novo trecho, denominado Lote Zero, possui 6,4 km e contará com mais oito estações, ampliando o traçado para 58 quilômetros até 2016. Esta obra foi viabilizada por financiamento do BNDES e é parte da carteira de investimentos do PAC.

TransOlímpica

A TransOlímpica é um corredor expresso, com 26 quilômetros de extensão, que conta com duas pistas de três faixas cada uma, sendo uma delas exclusiva para o BRT. Conectará Deodoro à Barra da Tijuca, bairros que abrigam os dois Parques Olímpicos e concentrarão a maior parte das competições.

Por dia, a Transolímpica beneficiará 70 mil pessoas, ao cruzar bairros como Magalhães Bastos, Jardim Sulacap, Recreio dos Bandeirantes, Camorim e Curicica. Haverá 18 estações e dois terminais ao longo de todo o trajeto. Além disso, não haverá sinais de trânsito, e o corredor fará ainda ligação com a TransCarioca e com a TransOeste.

TransCarioca

Inaugurado em 2013, o BRT TransCarioca é um corredor de 39 quilômetros, ligando a Barra da Tijuca à Ilha do Governador, no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão). Este BRT corta o Rio de Janeiro transversalmente, e foi viabilizado por um investimento de R$ 1,7 bilhão – R$ 1,1 bilhão de recursos fo governo federal e R$ 600 milhões da Prefeitura.

Cerca de 320 mil pessoas são beneficiadas diariamente pelo Transcarioca, que interliga 27 bairros: Barra, Jacarepaguá, Curicica, Cidade de Deus, Taquara, Tanque, Praça Seca, Campinho, Madureira, Cascadura, Engenheiro Leal, Turiaçu, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Irajá, Vila da Penha, Vila Kosmos, Brás de Pina, Penha Circular, Penha, Olaria, Ramos, Bonsucesso, Complexo do Alemão, Maré, Fundão e Galeão. O trajeto entre a Barra da Tijuca e o Aeroporto internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, exige hoje 60% menos tempo.

Metro Linha 4

A Linha 4 do Metrô conectará a Barra da Tijuca a Ipanema, com 16 km de extensão e seis novas estações – Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz. Transportará mais de 300 mil pessoas por dia, que poderão utilizar todo o sistema metroviário com uma única tarifa.

Ao integrar as Zonas Sul e Oeste, por onde passará, e a Zona Norte, pela integração, elevará qualidade de vida de milhares de cidadãos, que gastarão muito menos tempo em seus deslocamentos. Será possível ir da Barra a Ipanema em 13 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos.

A extensão total da Linha 4 corresponde à extensão de metrô subterrâneo existente no estado. A obra foi viabilizada pelo apoio do governo da Presidenta Dilma, por meio de empréstimos do BNDES e do Banco do Brasil concedidos ao Estado do Rio de Janeiro, que correspondem a cerca de 80% do custo total da obra.

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é o maior legado em transporte que o Rio de Janeiro, seus habitantes e visitantes ganharão com os Jogos Olímpicos.


contato@dilma.com.br
Este não será o País do ódio